Vencer é … ousar Partir!

manuel-milhinhos
Manuel Milhinhos num dia grande: na Meta da Maratona!

Este artigo fala de dois abandonos em competição. Sim, no ACP os abandonos também são notícia por boas razões. Colocamos o foco nas melhores classificações e nos pódios mas também e sempre na participação de todos. Para os lobos de Portalegre tão importante são as movimentações dos lobos alpha que andam na frente como a de cada lobo que ande no meio ou na cauda do pelotão. E tão importante como chegar à Meta é o esforço para chegar à Partida. Quem não corre e vê as fotos do convívio nas corridas e das sorridentes chegadas à Meta pensa que isto das corridas a pé é só prazer. Não, tem também uma dose por vezes impressionante de sofrimento, de esforço titânico e, por vezes, não dá. No FDS que passou não deu para o infatigável Fernando Alvez Barrero que alinhou nos 130 Km da Gran Vuelta Valle del Genal mas teve que abandonar aos 83 Km após 15 horas de corrida. Escreveu no seu mural: “Estoy vacío, desorientado y mentalmente roto para afrontar 42 km. hasta meta. Gracias por vuestros ánimos“. Passem pelo site do evento e vejam só o que ele perdeu e o que ele ganhou. Ganhou 83 Km entre “pueblos” maravilhosos do sul de Espanha. Chegar à Meta. Essa é a experiência habitual, não chegar foi a experiência possível no dia específico. Palavra de conforto também para o Manuel Milhinhos que tentou a curta do Valentrail mas partiu já com um pé ferido. Lobos que é lobo tenta, mas lobo que é lobo usa a cabeça não só para mandar no coração mas também para reflectir e não abandonar nos … desafios seguintes! Para os dois é hora de lamber as feridas e preparar as próximas incursões em passo de corrida no nosso maravilhoso planeta Terra!

valle-del-genal
Lobo Fernando Alvez Barrero uivou durante 15 h no Valle del Genal

Valentes lobos no Valentrail

vitor-cordeiro-valentrail-2016
Vitor Cordeiro 3.º e 1.º M50 nos 48 Km Valentrail 2016

O Valentrail é mais uma das corridas que está no coração dos lobos. Infelizmente devido à densidade do calendário não pudemos nela participar com a quantidade de atletas que se justificava mas ainda assim estiveram presentes a maioria dos melhores, uns a “dar tudo”, outros mais em modo de preparação. Vítor Cordeiro voltou a mostrar toda a raça completando os duros 48 Km em 4 h 53 m 47 s, 3.º da Geral e 1.º M50, realizando quase toda a prova numa liderança partilhada só cedendo um pouco no final. Logo a seguir, em 4.º e 3.º M40, entrou Marco Nabais que gastou 5 h 31 m 41 s no percurso traçado na sua maioria nos fantásticos trilhos da região fronteiriça de Puerto Roque e Sierra Fria. Uma prova magnífica, com uma organização “à UTSM” com marcações excepcionais e que crescerá muito nos próximos anos encontrando-se a data ideal e motivando-se as muitas centenas de corredores extremeños para esta fantástica especialidade desportiva que é o trail running. Na distância mais curta (24 km) também tivemos atleta no pódio. Ana Miranda foi a 3.ª feminina com 2 h 44 m 51 s. Foi acompanhada pelos lobos João Farinha (45.º), Luis Anacleto (46.º) e  Nuno Paiva (47.º) que a acompanharam nos últimos Km. Antes tinham entrado na meta Luís Cruz Rodrigues em 27.º com 2 h 31 m 32 s e Pedro Tavares em 30.º com 2 h 36 m 20 s.

Álbum fotográfico.

ana-miranda-valentrail-2016
Ana Miranda 3.ª feminina nos 24 Km Valentrail 2016
marco-nabais-valentrail-2016
Marco Nabais 4.º e 3.º M40 nos 48 Km Valentrail 2016

 

Paulino e Ceia ganharam a caralhota

lobos-podio-almeirim-2016
Emílio Paulino (1,º) e Manuel Ceia (2.º) no pódio M55 dos 20 Km de Almeirim

Os veteranos do ACP uivam, uivam, uivam. Hoje em Almeirim, na 30.ª edição duma das míticas provas de estrada nacionais, os 20 Km de Almerim, Emílio Paulino e Manuel Ceia subiram aos mais elevados degraus do pódio M55 com tempos de … bons seniores. Bem se pode dizer que ganharam a caralhota numa alusão à especialidade gastronómica almeirinense tão ligada à prova. Por equipas (4 atletas) fomos 8.º entre 59 classificadas. Eis os resultados dos 9 lobos classificados:

20 Km de Almerim (30/10) – 30.ª edição

50.º Emílio Paulino (AC Portalegre/UTSM) 1 h 19 m 06 s – 1.º M55

72.º Manuel Ceia (AC Portalegre/UTSM) 1 h 21 m 51 s – 2.º M55

134.º Rui Monteiro (AC Portalegre/UTSM) 1 h 25 m 32 s

155.º Hélder Melo (AC Portalegre/UTSM) 1 h 26 m 21 s

321.º Paulo Gandum (AC Portalegre/UTSM) 1 h 34 m 07 s

322.º Sérgio Carinhas (AC Portalegre/UTSM) 1 h 34 m 09 s

19.ª  Paula Matos (AC Portalegre/UTSM) 1 h 39 m 03 s – 5.ª F45

41.ª Helena Ceia (AC Portalegre/UTSM) 1 h 52 m 11 s – 11.ª F45

746.º Nuno Rodrigues (AC Portalegre/UTSM) 1 h 57 m 56 s

Parabéns a todos! 😀

acp-almeirim-2016
ACP nos 20 Km de Almeirim 2016
manuel-ceia
Manuel Ceia (foto de arquivo GDRF Serra)
almeirim
9 lobos entre os 887 finalistas de Almeirim

Tiago Valério 15.º em Aceuchal

tiago-valerio-aceuchal2016
Tiago Valério na estreia pelo ACP (foto de Ana Silva)

Tiago Valério, um dos mais promissores atletas alentejanos da sua geração, estreou-se ontem com a camisola do ACP. Foi 15.º no IV Cross Villa de Aceuchal, uma prova urbana com a extensão de 7500 m. Os primeiros objectivos do novo lobo encontram-se a médio prazo e passam pela Meia Maratona de Sevilha no final de Janeiro. Até lá o atleta de Urra vai investir no treino metódico para tentar chegar de novo aos seus RP de 32 m 30 s nos 10 Km e 1 h 11 m 10 s na Meia Maratona. Bem vindo à alcateia.

aceuchal-2016-partida
Partida da prova de Aceuchal 2016 (foto de Carlos de Moreno)
aceuchal
ACP competiu em Aceuchal (Extremadura)

Reunião do calendário 2017

Sala cheia na reunião do calendário do ACP para 2017. A Direção do ACP apresentou ontem aos atletas as ideias mestras do calendário competitivo para 2017. A partir duma proposta concreta os sócios/praticantes presentes na reunião puderam participar na construção da programação daquele que se prevê venha a ser um ano na linha dos anteriores com um incremento na quantidade, qualidade e diversidade da participação em eventos, prevendo-se que seja ultrapassada largamente a centena.. A partir da ideia base “uma mão cheia de ideias” os principais objectivos definem-se em torno de 5 eixos, os 5 dedos duma mão sempre disponível para promover a corrida e o Alto Alentejo: a) participação no Campeonato Nacional de Trail; b) todos juntos 1 vez por mês; c) veteranos nos Nacionais ANAV; d) participação no Campeonato Nacional de Estrada FPA; e e) ACP clube de Maratonistas. No ponto a) pretende-se focar a prestação competitiva dos mais competitivos trail runners do clube no Nacional de distância até Maratona, na tentativa de continuar a lutar pelo título nacional como tem acontecido nos últimos 3 anos. No ponto b) o enfoque será na reunião regular (1 vez por mês em média) de uma grande quantidade de atletas num mesmo evento já que a diversidade de participações e a dispersão geográfica das mesmas sendo saudável e um sintoma da saúde desportiva do clube “exige” como contrapartida momentos de partilha colectiva regulares. No ponto c) procurar-se-á que os nossos “veteranos de luxo” possam participar nalguns dos Campeonato Nacionais Masters e neles afirmar o seu reconhecido valor. O mesmo objectivo é perseguido na alínea d) em que se procurará estar presente com os melhores no Nacional de Estrada FPA. Finalmente o foco e) na participação em Maratonas em Portugal e no estrangeiro. São cada vez mais os membros do clube que elegem a participação na mítica distância olímpica como um objectivo de “carreira” pelo que o enfoque passa por afirmar o ACP como um clube de referência não só de trail runners mas também de maratonistas. A proposta do calendário partiu da identificação das actuais características do clube mas não deixou de reflectir sobre a importância de se encontrar um meio de voltar a dar protagonismo às camadas jovens, que tem funcionado mais como formação e menos na vertente da participação em competições. A maior parte dos eventos em que o clube participará estará publicamente disponível na página Calendário, sendo de realçar que o conceito Liberdade (no sentido de cada membro do clube competir onde e quando lhe apetecer sem orientações rígidas) vai continuar a ser uma das marcas da Alcateia. Muito vão uivar os lobos em 2017 por essa Europa fora!

Paulino navega à bolina no Alqueva

emilio-cheles2016
O atleta arronchense Emílio Paulino, um dos mais ferozes lobos! 😉

Mais uma incursão de Emílio Paulino na Extremadura, no dia 23, desta vez a terras do grande lago (Alqueva), e ao ayuntamiento de Cheles que desde há 12 anos organiza a sua Carrera Popular do Alqueva. 10 Km que o Emílio correu em 38 m 47 s, 15.º da Geral absoluta e 1.º M55. A prova classificou 147 concorrentes e os resultados completos podem ser consultados aqui.

cheles

 

Corremos uns pelos outros

O espírito da alcateia contagia conterrâneos e amigos e ontem em Lisboa a nossa “Casa do ACP” na capital esteve de novo activa. Paulo Gandum, João Pereira e Ana Paula Ramos correram os 10 Km da Corrida do Montepio “Corremos uns pelos outros” com os seguintes resultados:

763.º Paulo Gandum (AC Portalegre / UTSM) 44 m 19 s

1575.º João Pereira (AC Portalegre / UTSM) 48 m 24 s

3896.º Ana Ramos (AC Portalegre / UTSM) 60 m 05 s

paulo-e-ana-montepio2016

pereira-montepio2016

 

 

Casa do ACP no norte

quelhas-jesuitas2016
Joana Melo e Filipe Quelhas

Filipe Quelhas correu ontem a Meia Maratona dos Jesuítas (Santo Tirso) em 1 h 23 m 56 s obtendo o 64.º posto da Geral e o 22.º em M20. Joana Melo correu a distância curta (7 Km). Estes 2 atletas, familiares de Hélder Melo, um dos nossos ultra-maratonistas, afirmam-se cada vez mais com os precursores da Casa do ACP no norte do país. Sobre a participação no evento e acerca da sua preparação para a Maratona de Valencia que correrá em breve o Filipe comentou no seu Mural:

“Noite chuvosa, ao acordar a chuva prometia corrida fresquinha, pelo caminho a chuva mantinha-se, as nuvens eram escuras, a meio da viagem o sol começa a querer aparecer e a chuva pára, chegados ao local, temperatura ideal para correr.

No alinhamento, para lá da meta, muita malta com pinta de atletas, ir para o alinhamento a horas não é para eles, quando se lembram de vir, colocam-se na frente daquela malta que fez o aquecimento a tempo de cumprir o horário da partida, e como ainda não chegava o atraso provocado, ainda teimavam em não recuar para trás da linha de partida, atraso na partida, dispara a pistola e lá vamos nós.

Descida a começar, para logo a seguir começar uma leve subida, ritmo mais ou menos rápido, à minha frente segue um grupo de cerca de 20 atletas, penso em tentar chegar perto, mas decido manter a distância e seguir ao meu ritmo, assim foi durante muito tempo, até aos 15 kms muitas subidas, não muito inclinadas mas bem compridas, a partir do km 15, 3 kms sempre a subir em paralelos, senti-me bem a subir, nos últimos 3 deu para acelerar, corrida caseirinha pelas ruas e estradas de várias freguesias, muito paralelo, muita subida e muita gente na rua, em mais uma meia-maratona no programa de treino para a estreia na Maratona!!!”

Resultados completos