O impossível desafio de Hélder Melo

O evento inspirador – a Barkley Marathon de Gary Cantrell – é mítico no mundo do trail running, como exemplo de uma certa insanidade que também está associada às formas radicais deste desporto. É de tal modo “pouco apelativo” que o mimetismo não tem sido vulgar, que saibamos, por este mundo fora. Surgem no entanto neste FDS (partida entre as 0 h e as 12 h de amanhã, 3 de outubro) as denominadas Voltas do Impossível, sob a batuta do carismático José Moutinho, um dos percursores, a par de António Matias, da prática regular do trail running em Portugal. Se há novidade que surja em Portugal na área da corrida é certo e sabido que terá um lobo na linha da frente, no caso o nosso homem da serra da Freita, Hélder Melo, pronto para ver quantas voltas de 21, 6 Km com D+ de 1614 m cada uma, consegue realizar. A orientação é por GPS, os cerca de 50 participantes foram escolhidos após candidatura – será que houve muitos mais candidatos 🙂 ? – e a dificuldade começa logo por não se saber a hora da partida numa janela que pode ser de 12 h. Depois, conseguindo partir, o objetivo é terminar as 5 voltas (num total de 108 Km com um D+ de 8000 m) em autonomia total em menos de 15 h. – Impossível!, dirão. – Impossível!, dizemos. Resta então desfrutar de um desafio ímpar e ver quantas voltas o Hélder aguenta (terá que fazer as primeiras 3 em menos de 9 h). Vaticinamos que se fique pelas duas. Alguém aposta diferente? Boa sorte e, desde já, parabéns pela coragem.

José Moutinho apadrinha as Voltas do Impossível. Quem melhor, para tão insana tarefa?
Hélder Melo